segunda-feira, 30 de maio de 2011

Centralidade e Supremacia de Cristo

“Este assunto ocupa integralmente não só o tempo presente, mas também o resto das nossas vidas”

Colossenses 1.9-29.

A cláusula no versículo 13 de Colossenses 1 representa amplamente o que há em meu coração durante este tempo: o Filho do seu amor 1. Disso resulta a posição que Cristo ocupa conforme a vontade do Pai: Ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas nele subsistem, e em todas as coisas tem a preeminência: pelo qual Cristo em vós, (é) a esperança da glória.
Podemos sintetizar tudo isto na frase: A centralidade e supremacia do Senhor Jesus Cristo, e nisso ocupar integralmente não só o tempo presente, mas também o resto das nossas vidas.
A palavra de Deus traz para a vista quatro esferas em que esse pensamento e propósito de Deus concernente ao Filho do seu amor serão compreendidos. Há a esfera da própria vida individual do crente; em segundo termo, a esfera da igreja que é o seu Corpo; no terceiro lugar, a esfera do reino deste mundo, as nações da terra; e em quarto lugar, Ele como o ser central e supremo no universo inteiro, o céu e a terra e o que está debaixo da terra.
Nós não seremos capazes, neste tempo, de alcançar todas essas esferas e ver o que a palavra de Deus tem a dizer sobre o Senhor Jesus em relação a elas, mas o Senhor nos capacitará pelo menos no conhecimento de uma ou duas delas. Mas antes, recordo-lhes isto:

A centralidade e supremacia do Senhor Jesus são o eixo e a chave de toda a Escritura

Naturalmente, o próprio Senhor Jesus nos diz isso em Lucas 24. Ali o encontramos citando a Moisés, os Salmos, e todos os profetas, e o que diz concernente a Ele.
Em qualquer lugar que lermos a palavra de Deus, a interrogação que sempre deve estar em nossas mentes é: “O que isto tem haver com Cristo?”. Se você trouxer essa pergunta à sua leitura da palavra de Deus, em qualquer lugar que você ler (e isto não é dito sem entendimento) conseguirá uma nova compreensão da Palavra, você achará um novo valor em sua leitura, porque as Escrituras –todas as Escrituras– falam Dele. Ainda que você às vezes possa ter dificuldades esquadrinhando, ainda Ele está ali. O propósito final de todas as partes da palavra de Deus é nos remeter a Cristo.
Você não deve ler a palavra de Deus como história, narração, profecia, ou como só um tema em si mesmo sem se fazer sempre a pergunta: “O que isto tem haver com Cristo?”, e até que possa achar essa relação com Cristo, você não encontrou a chave. Você provavelmente estará pensando em certas porções difíceis da Escritura. Pensará provavelmente no livro de Provérbios, e dirá: “Que relação há aqui com Cristo?”. Uma simples sugestão iluminará esse livro em seguida: Em qualquer lugar que você leu a palavra Sabedoria, ponha a ‘Cristo’ no lugar de ‘Sabedoria’. Você transformou o livro e captou a sua essência, e isso é totalmente legítimo, apropriado, correto, e a leitura o demonstrará. Ele é a Sabedoria de Deus, o Logotipos eterno. Bom, bem rapidamente mencionamos isto, porque o que nós temos que ver é a centralidade e universalidade do Senhor Jesus, e ele está, pela vontade divina, no centro de tudo no universo, de cada fase e cada aspecto, e ele é sua explicação.

Também é a explicação da Encarnação

Isto não só é verdadeiro a respeito das Escrituras, mas também o é também em relação ao objeto e explicação de sua própria encarnação. Quando você está estudando a pessoa, a vida e a obra do Senhor Jesus, deve haver uma busca divina em seu coração, e essa busca deve apontar para os traços que sugerem a sua universalidade. Ao aproximar-se de novo à leitura da vida do Senhor Jesus com este pensamento, você não irá querer um simples estudo utilitário da Bíblia, mas verá que o seu horizonte se amplia e aumenta o seu próprio coração, lhe fazendo sentir a maravilha de Cristo.
Procurando esses traços de sua universalidade, não terá que ir muito longe para encontrá-los. Eles podem remontar-se às profecias sobre a sua encarnação ou pode achá-los na anunciação; podem estar nas palavras do seu precursor ou em seu nascimento, com todas as suas associações e incidentes. O universo está ali. Também estão esses traços em sua circuncisão. Na luz do resto das Escrituras (que são agora nossas no Novo Testamento) você encontrará que há traços universais inclusive em sua circuncisão, ou em sua apresentação no templo. Também estão em sua visita a Jerusalém, em seu batismo, sua unção, sua tentação, seu ensino, suas obras, sua Transfiguração, sua paixão, sua morte, sua ressurreição, sua ascensão, seu envio do Espírito, sua atividade presente, e sua segunda vinda. O que é universal está à vista. Cada uma destas coisas está marcada pelos traços universais, que se estendem até os mesmos limites do universo e abraçam todas as eras, as eternidades e todos os reinos. Este não é para nos um terreno desconhecido, mas o reiteramos para refrescar em nossa mente a maneira em que devemos considerar o Senhor Jesus.
Não estamos tentando fazê-lo maior do que ele é, mas sim entender as suas dimensões reais; e a necessidade do povo de Deus é ter uma nova apreensão da grandeza do seu Cristo, uma nova apreciação do amado Filho de Deus –e quão poderoso, majestoso, glorioso, e maravilhoso Filho ele é– e então recordar que o Filho foi dado. Isto nos fortalecerá, nos dará crescimento, e fará grandes coisas em nosso caminhar.
A centralidade e supremacia de Cristo na vida do crente

Vindo agora às aplicações mais específicas desta universalidade, às esferas da sua centralidade e supremacia já mencionadas, consideremos primeiro a sua centralidade e supremacia na vida do crente. Permite-nos olhar de novo esta palavra: «Cristo em vós, a esperança de glória». Você notará no contexto que o primeiro capítulo da carta aos Colossenses nos leva em seguida à mente e ao coração de Deus antes que o mundo existisse, e nos mostra o que está passando na mente e no coração do Pai em relação ao Seu Filho.
Isto é chamado o mistério, quer dizer, o segredo divino. É impressionante ver que antes que qualquer atividade criativa iniciasse, Deus já entesourava um segredo em seu coração. O Pai tinha um segredo, algo que ele não tinha mostrado a ninguém, nem dito a ninguém; um segredo acariciado, relacionado com o seu Filho. Fora do segredo do seu coração, que envolvia o seu Filho, em cada atividade sua através das gerações, ele estava ocupado de muitas formas, trabalhando com o seu segredo, envolvendo-o nessas muitas atividades, nessas muitas formas e maneiras de sua auto-expressão. Nunca o revelando, nunca proclamando o que estava em seu coração apesar das suas muitas palavras, mas escondendo-o, ocultando-o dentro de símbolos e tipos e muitas coisas. Todas elas envolveram um segredo, «o mistério».
Então à distância, na consumação, no final destes tempos, Deus enviou a seu Filho, o Filho do seu amor. Então, pela revelação do Espírito Santo, ele se agradou em dar a conhecer o mistério, em descobrir o segredo. E o primeiro capítulo da carta aos Colossenses assinala o ato incomparável, sem comparação, de tirar o véu do segredo do coração de Deus sobre o Filho do seu amor.
Leia-o de novo, cada fragmento: esse era o segredo de Deus. Tudo se resume nisto: “Para que em tudo tenha a preeminência”. Em todas as coisas; e então – e isto me maravilha; é algo que vai além do nosso entendimento– tudo isso, o segredo do coração eterno de Deus em sua poderosa manifestação, era ter a sua realização dentro do coração individual de um crente. E assim é até os nossos dias.
Este mistério é: Cristo em vós, a esperança de glória. Este segredo de Deus, o que Deus teve em seu coração desde a eternidade é: Cristo em vós. Quero enfatizá-lo uma vez mais.
Este segredo estava no coração de Deus desde a eternidade, para ser posto a seu tempo em nossos corações. O que estava na mente de Deus desde antes da fundação do mundo, tem o seu começo na recepção de Cristo no coração do crente individual mediante a fé.
Mas este não é o fim, é só o princípio. O que seguirá será a igreja, que é Seu corpo. Isto foi previsto e está completo no pensamento eterno, mas seguirá com a recepção de Cristo pelos crentes individuais.
Mas a igreja que é o Seu corpo também não é o fim. Será o centro de outra esfera: os reinos deste mundo, as nações que caminharão em sua luz. E então de novo, esse não será o fim, mas se estenderá para o universo inteiro. Não somente a humanidade glorificada, mas também os exércitos celestiais andarão em sua luz.

T. Austin-Sparks - Publicação: 06/10/2010 www.celebrandoadeus.com.br

Um comentário:

  1. A paz de Cristo! Sou seguidor do seu blog a um bom tempo, você também já segue o meu antigo blog aprendendo em sarepta que com o bug que aconteceu no blogger eu o perdi estou convidando você a seguir meu novo blog.
    Saladecinemagospel
    É uma maneira de olhar o cinema com criticas cristãs.
    Que Deus continue abençoando seu blog.

    Abraços do Rodrigo Almeida

    ResponderExcluir